Sequestro virtual de dados confidenciais assusta empresários

20 de outubro de 2014   |   
Tecnologia

http://www.controplan.com.br/imagens/blog/sequestro-virtual-de-dados-confidenciais-assusta-empresarios.jpg

Criminosos bloqueiam arquivos dos computadores das empresas e exigem resgate em dólar. Perigo fica escondido em link, em e-mail desconhecido.

Um novo golpe pela internet está assustando empresários pelo Brasil. É o sequestro virtual de dados confidenciais. Os criminosos bloqueiam arquivos dos computadores de empresas e exigem resgate em dólar.

Foi um susto logo no começo do expediente. Quando ligou o computador, o diretor da empresa recebeu uma mensagem em inglês informando que os arquivos tinham sido invadidos e as pastas, bloqueadas. Ele clicava e tudo aparecia embaralhado. “São todos arquivos um pouco confidenciais, que não deveria ter acesso a qualquer pessoa”, afirma a vítima.

No mesmo alerta, uma chantagem: para ter acesso de novo aos arquivos, era preciso desembolsar US$ 4 mil. O resgate só não foi pago porque a empresa tinha cópias das informações. “O problema de estar vulnerável seria em relação a como outra pessoa poderia utilizar os nossos dados”, conta.

Uma outra empresa chegou a ficar um dia inteiro parada por causa da mesma armadilha. O gerente até pensou em pagar o resgate, mas, depois de muito trabalho, sua equipe acabou encontrando cópias dos principais documentos bloqueados. “Demorou, foi cansativo, mas conseguimos”, afirma outra vítima.

O perigo fica escondido em um link, em um e-mail desconhecido. “Ele pode bloquear todos os arquivos de uma vez ou até mesmo individualmente mas somente com a senha poderá ser acessado”, afirma Fernando Peres, advogado.

Não existem estatísticas sobre esse tipo de crime no Brasil, porque as vítimas nem sempre registram ocorrência na polícia. Os especialistas em crimes virtuais advertem: o resgate exigido pelos hackers não deve ser pago.

A saída é reforçar a prevenção. “Os usuários de computador, que eles façam uma cópia dos arquivos em lugar seguro. Pode ser em um HD externo ou até mesmo em uma empresa especializada”, recomenda Fernando Peres.

Fonte: Portal G1

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *